Rede-de-Atendimento-a-crianca-e-ao-adolescente-de-Caico

Saiba detalhes da primeira reunião de 2017 da rede de atendimento a criança e ao adolescente de Caicó

Em Caicó por RedaçãoDeixe um comentário

A rede de proteção a criança e ao adolescente realizou na manhã desta quarta-feira, 25 de janeiro, a primeira reunião em 2017. O encontro aconteceu na sede das Aldeias Infantis SOS em Caicó e contou com a presença de representantes das instituições que compõem o sistema de proteção. A rede é integrada pelas seguintes instituições: Aldeias Infantis SOS, Conselho Tutelar, Conselho Municipal dos Direitos de Crianças e Adolescentes, CEDUC, Ministério Público, Vara da Infância e da Adolescência da Comarca de Caicó, Secretaria Municipal do Trabalho Habitação e Assistência Social, Secretaria de Educação e Secretaria de Saúde.

“Foi uma reunião bastante importante porque reuniu vários atores que representam e compõem o sistema de garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes do município de Caicó. Nós discutimos todo esse movimento de articulação, os casos referentes a criança e o adolescente e as políticas públicas do município. É importante que a gente destaque que hoje não se permite mais que essa rede apenas seja acionada quando se efetivar uma violação de uma criança ou de adolescente, mas sim de forma permanente. Com isso, todas essas instituições precisam estar sempre presentes”, disse Santiago Júnior, presidente do Conselho Municipal dos Direitos de Crianças e Adolescentes em Caicó.

O próximo compromisso da rede é o estudo e as reflexões de casos de violação de direitos que acontecem no município de Caicó. Com isso, outras reuniões são marcadas, geralmente uma vez por mês. “Nossos passos são fomentar, mobilizar e articular essa rede de forma sincrônica pensando nas políticas para as crianças e os adolescentes de Caicó”, explicou Santiago.

Para Keila Caroline, “cada instituição tem a responsabilidade nessa proteção para a criança e para o adolescente. Então reuniões como essa tem o propósito de nos preparar e nos aprimorar para que possamos promover de fato essa proteção. Além disso, é importante que possamos entender que as dificuldades que enfrentamos hoje é uma consequencia que perpassa anos e anos sem políticas públicas efetivas. Por isso, precisamos nos empenhar enquanto cidadãos, profissionais, pais e mães como famílias”, ressaltou.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Google+Email this to someone
RedaçãoSaiba detalhes da primeira reunião de 2017 da rede de atendimento a criança e ao adolescente de Caicó